Oh Darling | Como tudo começou…
15920
single,single-post,postid-15920,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-6.9,wpb-js-composer js-comp-ver-4.4.4,vc_responsive
Luisa com ursinho

19 abr Como tudo começou…

Muitos que me conhecem sempre me perguntam como comecei a cozinhar e a partir de quando resolvi me profissionalizar como confeiteira e fazer da Oh, Darling! Cupcakes um negócio de verdade. Para explicar melhor, preciso voltar um tiquinho no tempo, mas prometo que serei breve (ou, pelo menos, tentarei!).

Sou turismóloga por formação e sempre atuei em agências e operadoras de turismo, trabalhando com o planejamento de roteiros e venda de pacotes turísticos para os mais diversos lugares do mundo. Por que escolhi turismo? Ah, essa foi a pergunta que mais ouvi durante toda a graduação! De fato, nunca consegui dar respostas que não fossem vagas e incompletas para quem as ouvisse e, principalmente, para mim mesma.

A verdade é que não escolhi essa profissão com certeza e verdade que viessem da alma, sabe? Fui levada a escolhê-la. Falo inglês desde muito nova e tenho facilidade para aprender novos idiomas. Além disso, sempre gostei de história e geografia e vivo no Rio de Janeiro, “a capital do turismo no Brasil” e era fácil acreditar que encontraria muitas oportunidades na área. Pronto, foi assim que fui parar na faculdade de Turismo da UFF em 2006.

cocós

Minha turma inseparável do começo da faculdade!

 

Se gostei da faculdade? Sim, muito. Não me arrependo de ter feito. Estudei numa ótima universidade, fiz amigos para a vida toda e tive a oportunidade de ter aula com professores incríveis, que muito me ensinaram. Se gostei de trabalhar na área de turismo? Não por completo. Durante um bom tempo, achei que encontrar um trabalho que me pagasse bem seria o suficiente para ser feliz dentro da profissão que havia escolhido e de 2013 para cá aprendi que as coisas não são tão simples assim.

Em abril de 2013, comecei a trabalhar no setor de turismo social em uma grande empresa, muito bem conceituada em todo o Brasil. Antes desta empresa, estava trabalhando em uma pequena agência de viagens, ganhando um salário bem abaixo do que gostaria e sem nenhuma perspectiva de crescimento. Conseguir este novo emprego foi uma verdadeira vitória para mim. Passaria a ganhar bem mais, teria um cargo de maior responsabilidade e as oportunidades de crescimento eram maiores. Perfeito, né? De início sim, mas, com o tempo, as coisas foram tomando um rumo diferente do qual eu havia planejado.

A partir do segundo semestre de 2013, comecei a sentir um cansaço extremo e um desânimo ainda maior. Passei a ter cada vez menos vontade de ir trabalhar e não via mais sentido em fazer nada do que eu fazia. Eu me culpava constantemente por me sentir mal, pois, finalmente, estava ganhando um salário melhor e, mesmo assim, me sentia para baixo, triste e completamente desnorteada. Sentia que nada dava certo e que estava vivendo por viver, sem nenhuma alegria.

cão depressão

Imagem do livro “Eu tinha um cão negro – seu nome era depressão”, de Matthew Johnstone

 

Em fevereiro de 2014, após constantes dias e noites de choro e depois de meu noivo muito insistir, procurei ajuda médica, pois a situação estava completamente insustentável. Fui diagnosticada com depressão e Síndrome de Burnout. Saí do consultório médico com uma licença médica inicial de 30 dias e nunca mais retornei ao trabalho.

Acontece que nunca consegui ficar parada. Claro que adoro momentos de preguiça, de simplesmente sentar no sofá e assistir televisão, como qualquer pessoa. Mas, no fundo, preciso sempre estar em movimento, planejando e fazendo coisas novas. Foi aí que resolvi cozinhar. Minha experiência com a cozinha era, até então, a de comer, principalmente, doces, os quais amo de paixão. Cozinhar em si foi algo que aprendi a fazer e pelo qual me apaixonei. E, hoje em dia, tenho consciência de que a confeitaria não só me deu uma nova profissão como, principalmente, me ajudou a viver novamente.

A ideia de fazer cupcakes veio com a Luisa, minha linda sobrinha. Como toda criança, a Luisa adora comer um docinho. Resolvi fazer cupcakes para fazê-la sorrir. Pensava em decorações diferentes, cores alegres e tudo mais que pudesse fazer com que ela ficasse feliz. A Luisa adorou, assim como a minha família também. E meus amigos, e os amigos dos amigos e assim por diante, até que os primeiros cursos na área e os primeiros clientes me mostraram que eu havia encontrado, na confeitaria, aquele dom do coração que eu insistia em procurar em revistas sobre carreiras e testes vocacionais aos 16 anos e nunca encontrava.

 

Luisa com ursinho

Nossa linda inspiração, Luisa! <3

 

O Pedro está presente nessa jornada desde o momento que me levou a procurar ajuda médica até hoje, em tudo que fazemos. É ele quem prova tudo que eu faço, dando as mais sinceras opiniões sobre sabores, texturas e decorações, além de me manter sempre de cabeça erguida e confiante em todos os passos que damos. E sabem todas as fotos lindas que vocês veem aqui no site e nas nossas redes sociais? São todas dele! Foi mal, galera! Eu sei que nem todos têm o privilégio de ter um fotógrafo tão talentoso pertinho assim!

Ah! Minha família diz também que tenho no sangue o dom para a confeitaria. Minha avó Lucia, tão saudosa em minha vida, fazia bolos maravilhosos desde a década de 1970, época em que as atuais “cake designers” eram chamadas carinhosamente de “boleiras”. E, por coincidência da vida, meu avó, também muito saudoso, era fotógrafo e eles formavam uma parceria inseparável nas festas de aniversário e casamentos do bairro. Mas essa história merece um post só para ela mais pra frente!

A Oh, Darling! Cupcakes é, hoje, minha paixão e o meu maior sonho. Cada conquista é motivo de alegria e gratidão, pela confiança que todos têm depositado sobre o nosso trabalho e pelo carinho. Temos muito caminho pela frente, mas compartilhar essa nossa pequena, porém já muito importante história com vocês é um prazer.

Beijos e uma ótima semana (cheia de feriados!) para todos nós!

2 Comentários
  • Cristiane w.nicacio
    Postado em 15:26h, 19 abril Responder

    Sou suspeita de falar de vc Hevelin,uma pessoa maravilhosa que merece ser muito feliz,sempre torci por vc e tinha muita fé q um dia vc ia superar tudo e ser uma menina realizada,,,bjos da sua amiga e manicure
    CRIS….E PRA TERMINAR, COMO FALO PARA TDS SEU DOCE É DIFERENTE,SABOROSO E tem muito amor e carinho envolvido,o melhor q comi até hoje

  • Rebecca
    Postado em 16:13h, 19 abril Responder

    Conquistou até quem não gosta lá taaaaaaaaaaanto assim de doces :) Vai com tudo, Hevelyn, muito sucesso pra ti!

Enviar Comentário